Você está aqui:

Há esperança na redução da violência letal

ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa

07/07/2017

Por Aline Kerber *

Sente-se, com razão, nas ruas das cidades, a violência nossa de cada dia. Hoje, a América Latina abarca 8% da população mundial e 38% dos homicídios. Por conta disso, organizações internacionais e nacionais criaram a Campanha Instinto de Vida para induzir à redução de 50% dos homicídios em 10 anos na região, incluindo o Brasil, que é líder em números desse crime no mundo − 60 mil vítimas por ano, preferencialmente jovens, homens, negros, de baixíssima escolaridade e de periferia. A campanha visa informar os governos e a cidadania sobre políticas de segurança que funcionam para que não se insista em iniciativas que não são resolutivas.

Apesar de 78% dos brasileiros acreditarem que quanto mais armas em circulação, mais mortes teremos, parte do Congresso Nacional está trabalhando na contramão da opinião pública para revogar o Estatuto do Desarmamento em uma conjuntura, pasmem, em que as armas são responsáveis por 72% dos homicídios ocorridos no território nacional. Aumentar a circulação desse instrumento significa incrementar os crimes violentos que atingem todas as classes sociais.

Nesse contexto, o papel dos municípios vem sendo apontado como primordial para a redução do medo e de delitos nas cidades, onde o encontro dos cidadãos com o poder público se faz mais efetivo através do acesso a serviços públicos e do potencial mobilizador do poder local, inclusive de agências de segurança e justiça, como se verifica nos Gabinetes de Gestão Integrada Municipal.

O caminho de reversão desse quadro de insegurança passa pela liderança dos gestores locais para o estabelecimento de estruturas de gestão, produção de conhecimento, programas de diminuição de fatores de risco e aumento da proteção, como também de estímulo ao protagonismo das Guardas Municipais.

Ao menos 50 milhões de brasileiros (um em cada três de nós), as vítimas ocultas, conhecem alguém próximo que sofreu violência letal, mas não se pode deixar o medo e o ódio serem usados contra nós, pois foi por essa (in)equação que nós chegamos ao fundo do poço. Queremos mais #instintodevida.

(*) Aline Kerber é socióloga, diretora de Pesquisa do Instituto Fidedigna e especialista em segurança cidadã / aline.kerber@ifidedigna.com.br

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

× 9 = cinquenta quatro

ColetivaWeb